IIAM capacita técnicos do Instituto de Algodão e Oleaginosas de Moçambique

Uma equipa de investigadores do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM), liderada pela Directora Geral, Doutora Olga Fafetine, capacitou de 12 a 19 de Abril de 2021, em Massaca, Distrito de Boane, Província do Maputo, técnicos do Instituto de Algodão e Oleaginosas de Moçambique (IAOM) da região sul. A capacitação visava dotar de conhecimentos básicos sobre culturas oleaginosas eleitas pelo Governo para o presente ciclo de governação no âmbito da reestruturação do IAOM desde Julho de 2020.
Os conteúdos da formação foram: introdução sobre oleaginosas; conceito e importância; as diferentes oleaginosas e os teores de óleos; condição edafo-climáticas para a produção de gergelim, girassol e soja; maneio de gergelim, girassol e soja; preparação de solos, sementeira, maneio de fertilidade do solo, maneio de infestantes; e maneio integrado das principais pragas e doenças de gergelim, girassol, soja e fase de pós-colheita.
A abertura da capacitação foi dirigida pela Directora Geral do IAOM, Doutora Yolanda Milena Gonçalves, e contou com a presença da Doutora Olga Fafetine, Directora Geral do IIAM, Doutora Albertina Alange, Directora da Direcção de Formação, Documentação e Transferência de Tecnologias- IIAM, e 68 formandos.
A Directora Geral do IIAM na sua intervenção de ocasião, agradeceu pelo convite que foi dirigido para sua instituição com vista a conduzir a formação que visava transmitir os conhecimentos ligados a agrotécnica de oleaginosas e partilhar os resultados técnicos científicos que o IIAM detêm para o fomento das oleaginosas.
Mais adiante, Doutora Olga Fafetine passou em revista as principais variedades de oleaginosas libertas e em processo de libertação. Reiterou que uma parte das receitas do IAOM deve ser investida na investigação de oleaginosas por forma a contribuir para responder os desafios do país na área de oleaginosas.
O IIAM possui o Centro de Investigação e Multiplicação da Semente do Algodão (CIMSAM) e equipas de trabalho nas cadeias de valor de gergelim, e girassol. Portanto, a formação marcou o início de sinergias entre o IIAM e IAOM com vista a transferência de tecnologias geradas pelo IIAM que devem ser divulgadas pelo IAOM para o fomento das oleaginosas junto dos produtores, à semelhança da colaboração mútua se observa na cultura do algodão.
Após a capacitação, os formandos esperam que sejam capazes de conhecer classes e técnicas para produção de sementes, reduzir a importação de alimentos no País, sobre tudo a importação de óleo, obter a certificação dos laboratórios, gerar soluções e conhecimentos concentrado nas oleaginosas por forma a estabelecer carta tecnológicas de fácil compreensão, e de fácil aplicação dos produtores e para extensionistas.

Artigos relacionados

English EN Portuguese PT