FDA pondera redimensionar centros de prestação de serviços agrários

O Fundo de Desenvolvimento Agrário (FDA), uma instituição tutelada pelo Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar, projecta redimensionar a distribuição dos seus Centros de Serviços Agrários, espalhados pelo país, para que estes sejam mais prestativos aos produtores.
A ideia foi manifestada ontem (26/04), em Namialo, distrito de Meconta, província de Nampula, pelo Presidente do Conselho de Administração do FDA, Eusébio Tumuiquitile, em resposta às preocupações apresentadas por gestores desses centros e produtores, na reunião regional de mecanização agrária.
A formação de operadores e mecânicos para prestarem assistência ao equipamento foi outra questão colocada pelos utentes destes centros que o FDA pretende que seja resolvida no mais breve espaço de tempo possível.
“Queremos maximizar a presença dos equipamentos em todos os distritos e organizar melhor a manutenção das máquinas porque estamos a ter muitos problemas na sua operacionalização, a ideia é convidar jovens do serviço cívico das forças armadas”, afirmou o presidente do FDA.
Os utilizadores e gestores dos centros de serviços agrários criados pelo governo para assegurar o provimento de insumos, preparação de solos, sementeira, irrigação e colheitas apontaram ainda como principais problemas, entre outros, a concentração de equipamentos em alguns distritos em detrimento de outros.
“Há avarias constantes, acessórios são difíceis de encontrar, a assistência técnica é fraca e por isso gostaríamos de ter mais e melhor monitoria das actividades desenvolvidas pelos centros de serviços agrários”, apontaram.
Em resposta a estas inquietações, Tumuitiquile avançou algumas ideias, como por exemplo a identificação, pelos gestores e produtores, dos produtos com penetração mais eficaz nos mercados.
“É também nossa responsabilidade envolver o maior número de extensionistas para que possam prestar assistência técnica necessária e uso de sementes melhoradas”, referiu.
O presidente do FDA desafiou os gestores a mapearem o seu território para conhecerem melhor o terreno que os seus clientes pretendem lavrar evitando encontrar obstáculos que acabam por danificar o equipamento.
“Sugiro que tenham uma visão empresarial porque a nível mundial o maior negócio é a agricultura que intervém em todos os aspectos da nossa vida, deixar o improviso e optar pela organização”, defendeu.
“A nossa missão é promover o desenvolvimento, o importante é o diálogo para que todas as situações sejam resolvidas, os que têm pendências de reembolso de equipamento que levaram devem entender que soluções que satisfaçam todas as partes podem ser encontradas e é o que nós queremos”, explicou.
Segundo disse, neste momento o FDA desembolsou 32 milhões de dólares norte-americanos na compra de 513 tractores para o actual Programa de Mecanização Agrária no país.(Adap. Jornal Notícias)

Artigos relacionados

English EN Portuguese PT