VALE DO LIMPOPO VOLTA A TER VIDA PRÓPRIA E…: Moçambique pode deixar de importar arroz

Daqui a dois anos, Moçambique poderá deixar de importar arroz e, por essa via, irá poupar cerca de 200 milhões de dólares anuais, graças a uma nova abordagem que o Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural (MADER) está a implementar no Vale do Limpopo.
As sementes para o alcance desta nova e ousada meta foram lançadas na semana passada num encontro que o ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Celso Correia, manteve com os diferentes intervenientes da cadeia de produção de cereais e hortícolas da província de Gaza, no qual lançou o Plano Estratégico de Desenvolvimento do Vale do Limpopo.
Tal plano assenta em dois pressupostos principais que são o investimento de 600 milhões de Meticais para o arranque de um programa de desenvolvimento daquele vale e a sua transformação na primeira zona económica especial do país, como forma de atrair investimentos privados que respeitem a integração da comunidade local.
Com estas duas medidas, o Governo, através do MADER, acredita que, em dois anos, o Vale do Limpopo vai sair do marasmo em que se encontra há décadas e que coloca os cerca de 22 mil camponeses que dele dependem numa incompreensível condição de pobreza.
Aliás, Celso Correia fez questão de afirmar que “o Vale do Limpopo é um ‘monstro adormecido’ que será acordado com a nossa principal cultura, a cultura de trabalho” e isso faz todo o sentido porque quem chega pela primeira vez aos distritos que compõem o Vale do Limpopo se espanta com tamanha disponibilidade de terra fértil, banhada pelo permanente rio Limpopo, milhares de jovens no desemprego, lojas pejadas de produtos agrícolas importados, incluindo cereais e hortícolas. Puro contra-senso.
Pior do que isso, é ficar a saber que nos últimos anos o Estado e agentes económicos privados investiram vários milhões de dólares na implantação e reactivação de agro- -indústrias (processadoras de arroz, milho, hortícolas e carnes vermelhas) que sucumbem no tempo, entregues a “Deus dará”, porque a cadeia de produção não engrena…(JD)

Artigos relacionados

ordu escort escort kıbrıs izmit escort bodrum escort rize escort konya escort kırklareli escort van escort escort halkalı erzurum escort sivas escort samsun escort tokat escort