EXPORTAÇÃO DA AMÊNDOA DA CASTANHA DE CAJU

Solução pode estar no mercado sul-africano
A indústria nacional de processamento da castanha de caju deve apostar no mercado sul-africano de modo a fazer face à diminuição da procura pelo tradicional cliente- a China devido ao coronavírus e à recente decisão do Governo indiano de agravar a sobretaxa de importação deste produto.

A recomendação surge no âmbito de um estudo elaborado à luz do projecto ACAMOZ segundo o qual África do Sul é um mercado crescente de caju no mundo. O projecto ACAMOZ é uma iniciativa financiada pela Agência Francesa do Desenvolvimento(AFD), em parceria com o Instituto de Fomento de Caju (INCAJU) e o Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural.
“Mesmo que permaneça pequeno em comparação com grandes mercados com India, Estados Unidos ou União Europeia, a África do Sul é um mercado em que Moçambique tem uma vantagem comparativa devido à curta distancia”, refere o estudo.
A fonte explica que em 2019 a África do Sul importou 2600 toneladas métricas de amêndoa de caju, mas apesar da curta distancia e dos acordos de livre comercio da comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), a participação de Moçambique nessas importações foi apenas 36 por cento.
O estudo revela ainda que esta situação ocorre principalmente porque África do Sul não aplica nenhum imposto sobre as importações de caju do Vietname e da India, mesmo sem ter nenhum acordo de livre comercio com eles.
“Em Moçambique poderia negociar facilmente com o Governo da África do Sul um imposto de 10 a 15 por cento sobre a amêndoa de caju fora da SADC, argumentando que o desenvolvimento da sua industria de caju é benéfico para a economia da África do Sul porque parte dos insumos usados no processamento (sacolas plásticas, algumas pecas de reposição) em Moçambique, são importadas da África do Sul”, aponta.
O estudo recomenda o Instituto Nacional de Caju (INCAJU) Industrias do Caju (AICAJU) a promoverem o caju moçambicano junto agro-indústria e dos consumidores da África Ocidental.
Relativamente ao proteccionismo da India sobre a amêndoa de caju, a fonte considera tratar-se de uma medida contraria aos compromissos assumidos por este país, tanto na Organização Mundial do Comercio (OMC), como nas deliberações aprovadas nos vários encontros internacionais India-África.
Na OMS, a India e a maioria dos países africanos são frequentemente aliados nas negociações comerciais agrícolas, pois defendem o direito de proteger e promover os seus pequenos agricultores e pedem a diminuição dos subsídios nos países desenvolvidos. Portanto, em muitos tópicos a India precisa de apoio dos países africanos para negociar acordos vantajosos.
“Sendo o país africano mais antigo no processamento de caju, Moçambique poderia pressionar a India liderando uma negociação com outros países africanos, em particular, Costa do Marfim, Nigéria, Benin, Tanzânia e Burkina Faso, todos com fortes relações económicas com a India. Os países africanos podem ate pedir apoio dos Estados Unidos da América, União Europeia ou China para pressionar, pós estes países serão muito sensíveis para apoiar o desenvolvimento industrial na África e combater o proteccionismo injusto da India
”, frisa o estudo.

Artigos relacionados

ordu escort escort kıbrıs izmit escort bodrum escort rize escort konya escort kırklareli escort van escort escort halkalı erzurum escort sivas escort samsun escort tokat escort malatya bayan escort bursa bayan escort antalya bayan escort konya bayan escort
zenci porno gay sex hikayeleri aile sex hikayeleri güvenilir bahis siteleri Telefon sex hattı porno Maltepe escort bayan
mersin escort bayan mersin escort bayan mersin escort bayan mersin escort bayan mersin escort bayan mersin escort bayan mersin escort bayan kayseri escort bayan konya escort bayan konya escort bayan malatya escort bayan malatya escort bayan erotik film film izle korku film izle